Vinicultor urussanguense tem prejuízo de mais de R$ 30 mil com temporal

Otimistas e perseverantes, Valentin e sua esposa aguardarão o tempo necessário para refazer o parreiral

A semana não foi nada boa para o agricultor urussanguense Valentin Vilmar De Lorenzi Cancellier e sua esposa Ilse, residentes na Vila Belmonti, em Urussanga, que perderam grande parte do parreiral e da produção de uvas deste ano.

Segundo Valentin, na última quarta-feira 16/12, o rompimento de um dos cabos de sustentação das vinhas acabou provocando uma reação em cadeia e todo o parreiral acabou literalmente derrubado no solo.

A perda da safra foi estimada em mais de R$ 30 mil reais.


“Não há o que fazer, as parreiras estão literalmente arrasadas e, mesmo que a gente tente reerguê-las tudo está perdido. Então, deixa como ficou”, diz ele.

Valentim, que é um destacado produtor artesanal de vinho e suco de uva em Urussanga, acredita que o vento e a forte chuva ocorrida naquele dia colaboraram para que todo o sistema de sustentação colapsasse.

“Eu acredito que o peso das folhas das vinhas aliada a carga de cachos, que já estão praticamente prontos para início da colheita, somado a grande quantidade de água da chuva e os fortes ventos, acabaram provocando um excesso de peso e a ruptura do cabo com o consequente efeito dominó” concluiu o vinicultor que, no próximo ano, terá muito trabalho para refazer seu parreiral.

“ O parreiral ficará no chão até a próxima poda, quando então levantaremos novamente os pilares e reconstruiremos tudo” concluiu o vinicutor.


Valentin já foi pauta de matéria no Jornal Panorama no início de suas atividades como produtor de suco de uvas. Naquela época, com poucos recursos para investir, ele adaptou uma furadeira e inventou um equipamento para auxiliar no processo de moagem da uva.

Agora, ele traz uma outra inovação: dispensar as rolhas e lacrar os garrafões com plástico filme.

“Eu acho que lacrar a boca do garrafão com plástico filme seja um modo mais higiênico e evita contaminações indesejadas no produto.” informou o urussanguense que acabou de ver os seus mil pés de videira literalmente deitados no chão.