SERGIO MAESTRELLI

JUNHO LEMBRA SANTO ANTÔNIO E RIO CAETÉ



Rio Caeté de hoje e dos tempos idos



13 de junho de 2020, um dia de chuva e de neblina, fomos a Rio Caeté, dia de seu padroeiro Santo Antônio. Igreja vazia, porta semiaberta, pracinha deserta, silêncio. ( FOTO) No lugar de participarmos de uma missa e de uma festa, a substituição pelo Pai Nosso na Igreja e o Creio em Deus Pai no cemitério ao lado. Duas festas ficaram gravadas a ferro e a fogo em minha mente e em meu coração: Santo Antônio do Rio Caeté e Madonna Della Salute em Rio Carvão. Eu pergunto: Onde estão as divertidas festas de Santo Antônio do Rio Caeté? Onde está o apito do trem? Onde estão as procissões motorizadas, as missas, as novenas, o repicar dos sinos, as bombas e foguetes que alegravam a alma e o espírito? Onde estão o falar alto das pessoas, o encontro dos amigos e amigas, o som da roleta, o odor do churrasco, o frio de junho, os cantos sacros na igreja e as cantorias no salão regadas a vinho e cerveja, a maionese das nonnas e tias. Onde está o olhar furtivo, a conversa e o calor dos eternos namorados? Estão no passado. Hoje um mísero vírus dita as regras para um presente vazio, e um futuro inquietante e sombrio. Que Santo Antônio com sua gigantesca força espiritual ajude a ciência dos homens a derrotar esse maldito vírus e que ele queime no fogo eterno do inferno. Ele, o vírus Covid -19, não tinha o direito de interferir tanto assim na vida dos homens, encerrando, estraçalhando e destroçando vidas, pulverizando anseios, adiando ou transformando sonhos em pó, desejos perdidos na poeira da estrada da vida, liquidando histórias que ainda precisavam ser vividas, adiando encontros, provocando desencontros, semeando angústias e incertezas. Que esse maldito vírus se exploda em mil pedaços.

Não nasci naquela localidade, mas sempre me senti como se lá tivesse nascido. Amo demais aquele canto de Urussanga.

O maior momento de santidade na Itália, não senti em Assis com São Francisco e Santa Clara e nem no Vaticano com São Pedro e São Paulo. O meu maior momento de espiritualidade e sensação de santidade foi em Pádova com Santo Antônio, o santo português- italiano.


ESSAS MULHERES E SUAS INVENÇÕES


Algumas mulheres foram responsáveis por importantes invenções que tiveram impacto na vida dos homens.

Veja alguns casos de mulheres que inovaram, facilitando o dia a dia dos homens. Para facilitar o mundo dos homens que dirigiam veículos, Mary Anderson inventou o limpador de para-brisa em 1902 quando se incomodou com a neve caindo e assim, ela chegou a ver a sua invenção implantada em todos os carros. Da estrada para a água. Maria Beasley em 1884 criou o bote salva-vidas, fácil de dobrar e armazenar. No período anterior, o bote era apenas uma tábua. Sua invenção salvou centenas de pessoas da morte num dos acidentes mais trágicos da história: o naufrágio do Titanic. Da água para o fogo. As tradicionais escadas de incêndio foram inventadas por Anna Connelly em 1887. Os primeiros tipos de seringa médica surgiram no tempo dos romanos, mas quem a aperfeiçoou foi Letícia Geer em 1899. Ela inventou uma seringa para ser usada apenas com uma mão, uma grande facilidade para os médicos. Sinalizador noturno para a comunicação entre navios foi uma ideia concebida por Martha Coston em 1859. Antes dela a comunicação ocorria apenas através de bandeiras coloridas e gritos. Nos anos 50, a norte-americana Bette Graham para facilitar a sua rotina como secretária desenvolveu o corretivo líquido, cujo produto tornou-se popular e deu origem à marca Liquid Paper. A química norte americana Stephanie Kwolek da Du Pont desenvolveu uma fibra que seria utilizada nos coletes à prova de balas e na construção de aviões. A atriz Hedy Lamarr foi a inventora da tecnologia que permitiu enviar torpedos à distância durante a II Guerra alterando a frequência de rádio para enganar o inimigo. Sua invenção serviu de base para o desenvolvimento do transmissor Wireless (o famoso wi-fi) e do GPS. Shirley Jackson realizou pesquisas que originou o fax portátil, telefone de toque, painéis solares e cabos de fibra óptica. Tabitha Babbitt poupou os homens da madeira de trabalharem um pouco mais. Ela simplesmente inventou a serra circular. E assim deu o fim ao processo de empurrar e puxar uma serra reta. Isso ocorreu em 1813. Agora você vai levar um susto. A principal descoberta e invenção mesmo do mundo feminino foi a cerveja. Nas sociedades mais antigas, a cerveja sempre foi considerada um presente de uma deusa. A história da cerveja então já nasceu com um nome feminino. Na Mesopotâmia e na Suméria, há 7 mil anos, a fabricação da cerveja era considerada um trabalho e uma invenção exclusivamente das mulheres. Elas detinham o monopólio das tabernas. E os bares no Mundo Antigo eram mesmo lugar de mulher. De acordo com a história, somente nos últimos duzentos anos o homem começou a participar desse processo. No período anterior da história humana, ou seja, de 1800 para trás, a cerveja era coisa de mulher. Decididamente o homem não pode reclamar da criatividade das mulheres.


PÍLULAS

Vereadora Vani concordou com a lei que obriga o uso de máscaras em Urussanga. Segundo ela que tem know how na área de saúde, esta medida já deveria ter sido adotada antes e que o problema é como efetivar a devida fiscalização e qual a devida punição. Tem razão a vereadora. É realmente difícil, pois o brasileiro é mestre no “fazer de conta que...”

“O passado é um lugar agradável pra se visitar, mas ninguém gostaria de morar lá...” “Não sei quem proferiu a sentença pela primeira vez, mas, com franqueza, gostaria que tivesse sido eu”. Oswaldo Rodrigues Cabral, historiador catarinense.

O Rotary Club de Urussanga, assim como inúmeras entidades, segue com seu trabalho voluntário em prol dos membros da nossa comunidade que realmente necessitam. A associada Edna Zannin Lopes coordenou a confecção e a entrega ao Caritas, de catorze cestas básicas custeadas pelos rotarianos. É preciso por em ação o preceito bíblico que diz: “Vinde benditos do meu Pai, porque estive com fome e me deste de comer”. E outro preceito nos vem à mente: “Fora da Caridade não há salvação”.

Como é difícil pagar uma conta nesse país. Fiz esse comentário e alguém me corrigiu dizendo: você quis dizer como é difícil receber uma conta nesse país. Não, não. É isso aí mesmo que eu falei e não me enganei. Como é difícil pagar uma conta nesse país. O boleto não vem, o boleto tá vencido, o caixa eletrônico não aceita, caixa presencial não tem, vencido diz que há multa e juros, mas não informa o percentual e por aí vai. E você fica rodopiando, provocando o vírus.

Do livro: Nossa Senhora do Desterro do professor Oswaldo Rodrigues Cabral - E o que dizer das primeiras fotografias? Em 1884, um fotógrafo tirou uma “vista” do Palácio do Governo, fez cartões e expôs à venda. Eles foram recolhidos e o fotógrafo chamado à Polícia para as devidas explicações. É que a fotografia deixava ver, ao fundo de uma das janelas um vulto feminino em trajes de passeio e isso criou um problema de ordem moral muito sério... Ou seja, não é de hoje que as mulheres causam tumulto e frenesi em palácios e em governos.

Quem pensa que nesses tempos de pandemia, o lavoro não segue adiante, está muito mal informado. Os negócios seguem. Um exemplo aqui em Urussanga é o aumento da fronteira agrícola patrocinado pelo Paúra que com máquinas e equipamentos vem investindo pesado na próxima safra de aipim, abóbora, pipoca, amendoim e milho cravo. A movimentação de máquinas assustou os vizinhos nesta semana.

Sempre tivemos animais de estimação em casa, sejam gatos ou cachorros, mas tudo deve ter um limite neste nosso mundo, menos o amor e a paixão evidentemente. Tempos confusos esses em que as pessoas dão mais atenção a gatos e cachorros do que aos próprios seres humanos.

Antigamente o que fervia com grande frequência eram os radiadores dos carros. Neste final de semana, na cozinha ferveu a chaleira e nas redes sociais o que ferveu foi a lista dos seiscentos reais. Se o valor fosse de 666, o número da besta do apocalipse segundo a Bíblia, diria eu que foi coisa do diabo, mas parece que não foi. Foi coisa dos humanos mesmo. Não vamos generalizar porque aqui merece e deve ser aplicada a filosofia do ex-vereador Omero: “Cada caso é um caso”. Tem má fé, desinformação, entrada de gaiato, uso indevido de CPF, uso indevido de nomes....

Devido a esta lista explosiva, o consumo de chá disparou.Teve do hortelã à camomila, do boldo ao hibisco, do chá de eucalipto ao chá de folha de laranjeira. Do chá de marmelo ao chá de alecrim; do chá de gengibre ao chá de espinheira santa, do chá de erva mate ao chá de erva cidreira, do chá preto, branco, verde e de todas as cores. Dizem até que teve mercado e supermercado com o estoque zerado.

O jogo do bicho na política - Irritado, o vereador Tita Bom disse que tem um candidato a vereador que vai fazer a centena da cabra. Como em termos de jogo do bicho, a minha ignorância é praticamente total, não peguei o fio da meada. Mesmo em isolamento social, vou buscar a resposta. Perguntar é a forma mais barata de se combater a ignorância, o desconhecimento. Quero saber qual é o número da centena da cabra.

Vereador Vanderlei Marcírio, o Deco, que tem origens no Rio Carvão, afirmou que tem uma máxima que diz que “obra não ganha eleição”. Que o diga JK, Ivo Silveira e outros exemplos mais próximos de nós. Sempre afirmei essa máxima e repeti muito na última eleição. Obras evidentemente ajudam a ganhar eleições, agora o fator determinante é o saber se relacionar. O patrimônio maior é o relacionamento institucional e principalmente o pessoal. Saber se relacionar nesse nosso mundo totalmente interligado afasta o pescoço da guilhotina, quer seja na política ou em qualquer outro ramo da atividade humana. Vamos deixar o Ego para o Freud. As palavras “ego, intransigência, intolerância” devem ser substituídas por “humildade, bom senso, diálogo, tolerância”. Essas são palavras chaves para quem almeja ser inquilino provisório do segundo andar da nossa Casa Branca.

Sobre a cobrança do vereador Bonetinho envolvendo um deputado que prometeu cem mil reais para a recuperação do Rio Salto, com farta documentação oficial, registrado devidamente pela imprensa e que ficou o dito pelo não dito, entendemos que político não deveria ser cassado apenas por roubo, desvio, corrupção. Deveria ser também cassado pela palavra empenhada e não cumprida. Assim muitos políticos “caras de pau” seriam retirados de circulação.

Como diria um amigo meu da Linha Pacheco, “estoporô tudo , esbudegô tudo, arregaçô tudo”. Há anos que não ouvia essas expressões tão comuns em outros tempos.

Não se pode confundir povo ordeiro com povo cordeiro. Como diria aquele general da Antiguidade: tenho mais medo de um exército de ovelhas comandado por um leão do que uma ovelha comandando um exército de leões. O brasileiro precisa ser menos ovelha e mais lobo.


ATTENTI RAGAZZI


Segundo o irreverente Beto Simão com as medidas de relaxamento social, ouviu-se o seguinte diálogo entre dois vírus Covid-19: “Ainda bem que os Shopping Center estão reabrindo. Já estava enjoado de ficar apenas nos mercadinhos e nas farmácias”. Também merece registro o desabafo de uma mulher em isolamento social com o marido há 90 dias. Fragilizada psicologicamente, disse ela: “Hoje é o meu dia de sair para levar o lixo. Estou tão emocionada que nem sei com que roupa eu vou”.


Velho Corcel



Olha que esse urussanguense Jair de Ávila, o Bicudo, nascido, criado e “domesticado” na Baixada Fluminense já fez barulho neste município. Da adolescência à juventude, ele fez de tudo, só não foi coroinha do Padre Agenor. Aqui em sua fase profissional na época do Corcel II, o carro sensação do final dos anos 70 e anos 80 da Ford Motor Company. Eu também não resisti e na época tínhamos um Corcel II - Ano 1980, Azul Metálico com placas PM 0003, placas estas presenteadas por Atílio Damiani, grande amigo de meu pai. O Corcel do Bicudo não sei por onde anda, mas o nosso está na garagem e sai quando dá aquela saudade dos tempos da juventude.