SERGIO MAESTRELLI

14 ANOS SEM O PADRE AGENOR


31 de agosto de 2020. O calendário marcou nesta semana os 14 anos do falecimento do Padre Agenor, seguramente a personalidade mais marcante de nossa história, isto porque a sua atuação foi além do sacerdócio, foi além da religião. De 1948 até o seu falecimento em 2006, ele esteve no centro ou ao lado dos principais fatos, obras, realizações e acontecimentos de nosso município. Foi pioneiro na comunicação fundando a Rádio Marconi, Gráfica Paraíso, braço forte na escrita e orador de primeira grandeza, foi linha de frente na questão social com o Paraíso da Criança e o amparo para centenas de crianças órfãs, linha de frente com a Dona Minerva no Hospital Nossa Senhora da Conceição. Para a juventude, foi mentor do Clube da Colina, Cardeais da Colina, UNIJUR; para as mulheres adultas, As Damas de Caridade. Foi linha de frente na educação com a Escola Profissional São José, linha de frente da cultura com o nosso hino e brasão, obras literárias, poemas e poesias, Academia de Letras, na criação do museu municipal, autor de dezenas de livros e hinos. Foi pai de centenas de crianças órfãs e foi o responsável por termos em nossa igreja uma réplica de La Pietá. Foi político porque descobriu cedinho que neste país tudo somente se resolve apenas e através da política. Como cientista, foi linha de frente na apicultura. Foi visionário ao escrever na década de 50 que o vinho Goethe seria um símbolo típico e único para Urussanga e Azambuja. Padre Agenor teve 19 vocações ou profissões. A primeira foi ser padre, com seu lema “Me chamaste? Eis-me aqui. Envia-me”. As demais dezoito vocações ou profissões basta você mesmo enumerá-las com o que você sobre ele, já leu, viu e ouviu. Tivemos o privilégio de por décadas, de com ele ter um convívio muito próximo atraído pela amizade e pela identidade nas ideias. Poderia ter vivido como águia, optou por ser e viver como uma andorinha mensageira voando do Planalto Serrano até as brancas areias do Atlântico Sul. Às vezes fico imaginando como seria a história de Urussanga sem a sua presença de mais de meio século entre nós. Honrou o seu sobrenome “Marques” e realmente marcou.


BRASIL: FALTA DE SORTE OU DE OPÇÃO?


Com a Nova República, já tivemos um presidente que não tomou posse. O vice assumiu e se tornou o presidente do Plano Cruzado com o seu bordão: “Tem que dar certo”. Não deu. Tivemos na sequência um falso caçador de marajás. Depois outro vice que só pensava na volta do fusca e que se imortalizou num carnaval ao lado de Lilian Ramos sem calcinha. Ele não viu nada e ainda por cima pagou o pato. Depois tivemos um presidente sociólogo, intelectual, que também resolveu pouca coisa e que deixou como herança a estabilidade da economia e o famigerado instituto da reeleição, foco e combustível para a alta corrupção. Tivemos um presidente operário que encheu os cofres do sistema bancário, abarrotou com dinheiro público a conta de políticos corruptos e funcionários públicos safados do alto escalão, logo ele um presidente operário, um operário presidente. Veio a presidente (a) Dilma que parecia viver em outra galáxia e a engrenagem emperrou de vez. Eis que surge no horizonte outro vice, o Temer, que logo se revelou outra temeridade. E agora temos um presidente capitão, o presidente Jair Bolsonaro, com ações desastradas no meio ambiente e na educação, com a aproximação com o denominado “Centrão”, a turma do “toma lá, dá cá”, e a volta do presidencialismo de coalizão, também berço e focos da corrupção, rasgando deste modo bandeiras da eleição. E a operação Lava-Jato com o motor dando sinais de pane. Muitos coveiros interessados na sua morte. Temos também a Covid-19, além da doença, da morte e da desgraça, trouxe consigo um novo flanco para desvios e corrupção, que se junta aos flancos tradicionais já existentes. Nessa até a nossa Santa e Bela Catarina. Eu fico admirado que com tudo isso, o Brasil ainda consegue funcionar. E você não fica?


PÍLULAS

Aulas presenciais e aulas virtuais: cá entre nós, mas o aproveitamento dos alunos nas aulas virtuais se aproxima de uma tragédia educacional, pois o aproveitamento e o entendimento são muito pequenos. Dúvidas afloram constantemente e ficam no ar a interrogação e a inquietação dos pais, apesar de ser o primeiro a reconhecer, agradecer e elogiar o trabalho, a luta, o esforço, a dedicação e a garra dos professores nas tentativas de equacionar esta questão. A opinião emitida se baseia no relato das experiências que muitos pais estão tendo com as aulas virtuais. Não há culpados nessa história. Nem professores e nem alunos, nem serventes. O ser humano ainda vai colocar este Covid-19, este inimigo no parédon.

Que exercício oriental de paciência. O que esse telefone com código de outro estado toca na nossa casa é algo fora do comum. Ele também toca na sua? Ou você já se livrou do telefone convencional?

A Revista Veja registrou que a cidade de Nova Lima/MG, tem a maior renda per capita do país. A cidade de Nova Lima está localizada a 25 km de Belo Horizonte, ou de BH, como diria a Majú da então previsão do tempo. Possui 95.000 habitantes e tem uma renda per capita de 6.253,03 reais. O município é um dos principais lugares da Mineradora Vale. Nos últimos tempos, Nova Lima se tornou polo de produção de cervejas artesanais. Para quem não sabe, Nova Lima é a terra natal do mineiro-urussanguense Antônio Carlos Reis Couto, uma de nossas cabeças pensantes. Então um abraço ao Antônio Carlos e logicamente outro para a Saletinha e filhas. Antônio Carlos pode ser definido como sendo um típico caso de “bendito entre as mulheres”, embora já tenha netos.

Carbonífera Criciúma deixa um passivo estimado em 500 milhões de reais. A história da exploração carbonífera independente das empresas, sejam elas estatais ou privadas, é uma só. O lucro privatizado e o prejuízo ambiental socializado. Esta é uma das heranças do ouro negro. O Governo agora em seu nome deve assumir o passivo ambiental e financeiro. E ele vai evidentemente tirar alguns reais do bolso de cada cidadão para zerar a fatura. O Governo não tem dinheiro. Ele apenas maneja o seu.

Estamos com os olhos azuis atentos no calçamento perfeito da Rua Siqueira Campos, a Rua do Sapo e na abertura do mesmo, evidentemente uma ação totalmente necessária em virtude da edificação que está sendo finalizada. Estamos de olho nos trabalhos de reposição do calçamento e do meio fio.

Com a mesma atenção que estamos acompanhando a ação, esperamos que estejam também o Diretor de Planejamento da Prefeitura e o Rafael Sales, Diretor de Trânsito. Se não houver mão de obra disponível para a eficiente reposição, que se contrate o Nicanor Zavarise, que mora aí ao lado. O que não se pode aceitar é a reposição “meia boca” já feita e observada em outros locais, em outras ruas, para depois se ter ou alegar motivos para asfaltar. Esta prática capciosa da prefeitura já é uma velha conhecida do setor cultural.

O meio rural de Urussanga deu mais um passo no quesito indústria artesanal de alimentos com a conquista do SIM para a Carbonetti - Ovos de Codorna, com passe livre de comercialização na região da AMREC. A empresa se junta a um grupo seleto formado por Dezan Embutidos, Beth Ovos, Açougue HB, Açougue Bendo e Trevisani Embutidos. Alimento seguro e com qualidade é com eles, e tudo dentro das normas preconizadas pelo Ministério da Agricultura. Prefeitura Municipal e Epagri têm seus méritos nessas conquistas.

Vem aí um feriado, o de Sete de Setembro. Falar em feriado nesses dias de quase tudo parado soa estranho. As pessoas estão precisando mesmo não é de um feriado, mas de dias normais. E quando será que eles voltarão?



ATTENTI RAGAZZI

Fique tranquilo, leitor. O gênero humano não irá se acabar devido a Covid-19. Cada vez mais me convenço que o ser humano será varrido do planeta pela ignorância que a cada ano se agiganta cada vez mais extrapolando qualquer limite que se imagine. Como diria o Padre Carlos Weck com a sua peculiar linguagem açoriana de Laguna: “a ignorância quando não mata ou estravanca tudo, aleja”



Atenção ladrões de galos, galinhas, patos, patas, gansos, gansas, marrecos, marrecas e similares. As câmeras de monitoramento finalmente chegaram ao meio rural. É a tecnologia a serviço do bem. Então, agora, pense duas vezes, porque você poderá ser identificado e rumar para o Presídio Santa Augusta. Você sabe que para este tipo de crime no Brasil o processo é rápido. Enquanto que para outros...



Antigo Açougue Municipal: “nooveelaa” concluída. A última construção do século XX na Presidente Vargas sobreviveu. Agora restaurada e utilizada pelo Poder Público com uma necessária e nobre finalidade.

Na última administração, ela não sumiu por um triz, e com o silêncio total da Diretoria de Cultura que na época, submissa, se omitiu, não cumprindo o seu papel institucional. A construção continuará de pé graças a três santos: São João Batista, São Marcos e São Luís. Estamos nos referindo à ação do vereador João Batista Bom, do vereador e ex-secretário municipal de saúde, Marcos Roberto Silveira e do prefeito Luís Gustavo Cancellier. Então neste assunto, “the end’, como diriam os ingleses. “Se fini” como diriam os italianos, ou “acabou, acabou...” como diria o narrador esportivo Galvão Bueno.



A Vidraçaria Kéios com novo endereço. Sai da final da Rua Barão do Rio Branco e início da Avenida Marcos Costa para a Rua Vidal Ramos, a tradicional Rua do Grupo, nas antigas instalações do Agenor da Brahma. Ela é uma empresa transparente ao máximo, também pudera, ela trabalha com vidros. A empresa dos irmãos sócios Kéio e Loni já passou dos 30 anos e começou na Avenida Presidente Vargas.



Querer o bem... Você também pensa assim?