top of page
  • Foto do escritorJORNAL PANORAMA SC

SÉRGIO MAESTRELLI




Nos 75 anos de fundação do Paraíso da Criança, o encontro de parte das primeiras internas do Paraíso da Criança. Foi um dia que todos se sentiram em casa mesmo estando tão longe. Rever pessoas separadas por longos períodos de tempo, rever centenas de fotografias dos tempos do Paraíso e o relato de centenas de histórias proporcionou momentos emocionantes para todas as envolvidas. No encontro foi realizado um minuto de silêncio pelas internas já falecidas cujos nomes foram nominados. Alguns relatos das conversas entre elas: “Eu aprendi a fazer tricô com dois pregos”. “Minestra rala é servida como castigo”. “Crustáceos? Nunca vimos”. “No teatro eu era vestida como uma japonesa. Eu era um brinco”. “Como eu caminhei pela cidade com aquele famoso Livro de Ouro debaixo do braço”. “Quantas galinhas eu torci o pescoço e preparei para a famosa galinha na roleta”. “Nunca podíamos ir aos bailes do Clube da Colina. Ficávamos espiando pelas janelas do Paraíso”. “E aquele charque com pirão?” - “Eu não acredito que voltei aqui depois de 50 anos”. “Quero caminhar sozinha pelo pátio, pelo refeitório, pelas salas e pelos quartos”. “Vou entrar na capela e agradecer”. “Antes orfanato, agora estão pensando num local para a terceira idade? Será que vou retornar ao Paraiso no fim da vida?” “Hoje vou secar as lágrimas com guardanapo”. “Aquele cesto de roupa como era pesado”. “Minha avó me deixou aqui com uma malinha e dentro dela quase nada, estava praticamente vazia”. “Sonhava com maçã à noite no paraíso. Hoje as maçãs apodrecem na minha casa”. “Roupa dos Estados Unidos, leite dos Estados Unidos, queijo nas latas”. “Padre Agenor não morreu em 2006. Enquto eu viver ele estará vivo em mim. Esse sim foi um padre-pai”. “Vestido de cortina. Como eu gostava de meu vestidinho feito de cortina”. “A Juraci adoeceu e foi internada em Blumenau e não conseguiu comparecer. Estava muito sentida”. “Acho que o sonho das freiras era que todas nós fôssemos nos tornar uma delas”. “Nós tínhamos muitas curiosidades, uma era ver o cabelo das irmãs solto”. “Eu aqui no paraíso novamente? Estou sonhando ou estou acordada”. E para encerrar reproduzimos uma das dezenas de quadrinhas escritas pela ex- interna Marlene Scarpatto. “Por muitos anos o Padre Agenor foi confessor e protetor. Como iríamos nos esquecer daquele que nos deu tanto amor”. “Um obrigado a todos aqueles que nos acolheram na nossa infância”.





Depois de um empurra-empurra, de um enrola-enrola, de um embroma-embroma, que atravessou o período de atuação de pelo menos dez secretários municipais de cultura, desde ano de 2012, ou seja, 11 anos, finalmente o Diretor de Turismo, Gilmar Trevisol colocou a mão na massa. Ou melhor, a mão na pedra e foi erguido o típico parreiral de granito de uva Goethe no Parque Municipal Ado Cassetari Vieira. O último dos 30 mini-parreirais concebidos pela Associção ProGoethe a serem instalados em espaços públicos, comerciais e residências particulares para registrar a uva Goethe, a variedade que deu fama aos vinhos de Urussanga.

Nessa trajetória, agradecimentos ao empenho do casal Dado e Renata, à COOPERCOCAL pela doação dos fios e pela implantação dos palanques de granito, o Nariz e o Sangaletti que com o Ceron na retroescavadeira transportou as pedras de contrapeso, ao HB Viveiros que doou as mudas (Emílio e Eloise), ao Henrique da Epagri que efetuou o plantio das mudas.

Reconhecimento ao Trevisol que doou todos os palanques de granito.


PÍLULAS

  • “No hay plata” diz Javier Milei, empossado como presidente argentino, ao pé da escadaria do Congresso, de frente para seus simpatizantes e de costas para os políticos que ofendeu durante a campanha. Ele traçou um retrato catastrófico do país com dias difííceis para “los hermanos”.

  • A corrupção movimenta bilhões de reais e tem dois círculos viciosos. Uma parte vai para o bolso dos envolvidos e outra para o financiamento de campanhas eleitorais. Deltan Dallagnol, deputado cassado em palestra na Sociedade Recreativa Mampituba em Criciúma/SC.

  • “Ciclos se fecham e ciclos se abrem e os mesmos produzem grande aprendizado”. Raquel de Souza Freire, Delegada da Polícia Civl de Urussanga.

  • Xis- Salada patrimônio cultural de Criciúma mediante projeto do vereador Zairo Casagrande. Exitem 50 estabelecimentos que servem esse lanche naquela cidade. Então, Urussanga, deveria se mexer e considerar a caipirinha de vinho Goethe como patrimônio gastronômico local. Outras opções seriam o xis-polenta e o pastin. Foi o que disse o Bira. Teria também o cróstoli da Dona Giselda. “La Sagra Della Polenta” já está entrando no calendário oficial dos eventos do municipio.

  • Vereadores Mutini e Bonetti em Florianópolis atrás de verbas. A comunidade espera que eles venham com verbas e não apenas com o verbo.

  • ATTENTI RAGAZZI

Comments


bottom of page