top of page
  • Foto do escritorJORNAL PANORAMA SC

SÉRGIO MAESTRELLI

O POVO NÃO QUER SABER...

Sobre os prefeitos colocados num “brete” pela “Operação Mensageiro”. Dos dezesseis envolvidos por enquanto, quatro já renunciaram: os prefeitos de Papanduva, Itapoá, Pescaria Brava e Tubarão. Tudo por chafurdaram no lixo, lixo este sempre mal recolhido, enquanto que as propinas, segundo a Justiça, sempre muito bem recolhidas. E os outros podem estar a caminho de. Mas o povo não quer saber se o político está preso no Presídio Santa Augusta, na Papuda, no Tremembé, no Bangu 1, 2, 8 ou em penitenciárias agrícolas (aquelas que supostamente os presos trabalham no cabo da enxada). O povo não quer saber se eles estão presos num presídio, em prisão domiciliar na própria casa ou na casa da tia, com ou sem tornozeleiras eletrônicas. O povo quer saber mesmo é onde está o “faz me ri” desviado. E quando toda essa “bufunfa” volta ao cofre do povo ou se também seguirá no esquecimento, a exemplo dos 33 milhões dos respiradores do Moisés. O resto é penduricalho. Tais fatos são lamentáveis e representam vergonha para os partidos dos envolvidos, vergonha para os familiares, vergonha para os que caminhavam ao seu lado, vergonha para o estado catarinense. Quer nos parecer, infelizmente, que se você quiser saber algo sobre aqueles a quem se depositou confiança para conduzir com ética a coisa pública, hoje é obrigatório abrir os jornais, não na página política e sim na página policial. A maioria dos políticos por lá estão sendo regularmente citados.


PÍLULAS

  • Na revista Insieme deste mês, a cargo do pároco Giliard Cesconeto Gava a publicação de uma belíssima reportagem tendo como tema central a igreja em honra a São Gervásio e São Protásio, na Localidade de Rio Maior. A igreja foi construída em pedra de arenito pelos imigrantes oriundos de Erto Casso (Norte italiano) e foi inaugurada em 1912. A história de Urussanga inserida em seis páginas mostra a essência da união entre religiosidade e a cultura da pedra. Patrimônio tombado pelo IPHAN, a igreja foi salva da demolição pelo lastro cultural do então vereador e ex-presidente Jahir Meneghel. Urussanga deve essa e muitas outras à visão do amigo Jahir.

  • E numa das tradicionais gincanas na terra dos alemães, lá no Verde Vale do Itajaí, eis que surge uma equipe com o sugestivo nome de “Equipepino”. Mas ao que tudo indica, descascaram muito bem esse legume.

  • O automóvel Brasilia completando 50 anos. Esteve na crista da onda por muito tempo a partir de 1973, quando foi lançada. Muito poucos nesta época poderiam dizer: “Vamos com a Brasília”. Dentro da antiga ACARESC, onde o Fusca dominava a frota, a Brasília era o símbolo do poder do Supervisor Regional. Era charme, poder e status na sociedade. Hoje é cobiçada e disputadíssima por colecionadores. Uma das mais famosas foi a Brasilia Amarela dos “Mamonas Assassinas”. Mas tudo é passageiro e o tempo vai demolindo e liquidando tudo. Das criações humanas às vaidades.

  • A Petrobrás tem oleoduto, mas o que predomina mesmo no país é o “propinoduto”. Por esse sim, circula o “óleo” sem problemas e normalmente sem vazamentos, mas às vezes, vaza. E aí a correria para as farmácias visando à busca de calmantes é enorme.

  • Banheiro Público – Construir é fácil. Na Rua Pedro Damiani, a Rua do Mercado Ceara, tem muitos terrenos aptos para receber tal projeto. Agora, construir é fácil, quero ver é a manutenção do mesmo. A prefeitura tem condições para alocar um funcionário para a manutenção diária do mesmo? Não serão com moedinhas que o problema será resolvido. Perguntem à Dona Tila o que acontecia com o banheiro do Centro Comunitário da Matriz a cada dia. Em termos de limpeza, era a soma do terror mais o horror e o pavor. Nem o gado numa estrebaria provocava tanto espanto. O termo pode escandalizar, mas é a realidade. O povo é muito tinhoso.

  • Enquanto você, como voluntário, vai à luta vendendo ou comprando rifas para diversas entidades assistenciais, para projetos sociais (o que é altamente louvável) em que a marca do Governo é a ausência de compromisso, o seu deputado ali na Ilha da Magia, aproveitando que o povo está preocupado com o ciclone extratropical, em menos de 1 minuto, ou para ser mais exato, em 58 segundos, aprova criação de cargos e aumento exorbitante de seu próprio salário, apelidado de vencimentos. Para projetos que beneficiam o povo, estes levem meses e precisam tramitar em 11-13-15-55 comissões que andam a passos de tartaruga com a pata engessada. Continue assim agindo passivamente que você vai bem, eleitor.

  • Bráz Ciseski assumindo em Urussanga o comando do partido União Brasil. Que ele consiga implementar, por aqui, o “União Urussanga”, porque bomba de fragmentação fragmenta menos do que a nossa política Municipal, que se encontra totalmente fragmentada. ‘Chose de loc” diria Jô Soares.

  • ‘Tudo bem, Pe. Carminati? Tudo bem, mas ainda pode melhorar.” Foi o que ele disse. Espirituoso o nosso vigário.


ATTENTI RAGAZZI

Para a grande irritação do amigo Ernani De Villa, um apaixonado pelo Internacional de Porto Alegre, dizem, mas eu não confirmo, que todos os integrantes da atual Diretoria de Cultura e Turismo são gremistas. Como assim? É por causa do verso “Até a pé nós iremos, com o Grêmio, onde o Grêmio estiver” adaptado para um “até a pé nós iremos, com a cultura, onde a cultura estiver”. Fui e voltei. O setor, pelo que já fez pela cidade, mereceria pelo menos um “Fiat 147” equipado para tiros curtos.




Quem entrou definitivamente num projeto de sustentabilidade ambiental foi o CAEP (Conselho para Assuntos Econômicos Paroquiais) da Igreja de Santo Antônio, na localidade de Palmeira do Meio, resolvendo o corte da grama no entorno da igreja mediante custo zero. Isso se chama aparador de grama ecológico.



O primeiro click profissional do nosso neto Eduardo, 8 anos, teve como alvo o jornalista Sérgio Costa registrando a história do desfile da XVII Ritorno Alle Origini. Imagem bem enquadrada.

Comments


bottom of page