Rancho dos Bugres - monumento histórico lembra a chegada dos colonizadores

Família Savi Mondo ajuda a preservar a memória coletiva



Luizinho Neves Marques e Luiz Savi Mondo


Com a ajuda do caminhão munck da Coopercocal, foi possível erguer e colocar no devido lugar a cruz de granito com 3 mil quilos que fará parte do novo monumento em memória aos colonizadores de Urussanga, na localidade de Rancho dos Bugres, na Rodovia dos Imigrantes.

A ação emocionou o representante da família Savi Mondo (que doou a imponente cruz)- senhor Luiz Savi Mondo que, ao lado Luizinho Neves Marques, acompanhou os trabalhos.

Em entrevista à reportagem de Panorama SC, Savi Mondo disse que estava honrando a memória de seu tio Zeferino ao fazer essa doação.

“Meu tio sempre dizia que desejava deixar sua passagem marcada neste mundo com a doação de uma cruz em pedra. Porque nós trabalhamos com pedra. Ele até tentou fazer uma no nosso cemitério aqui no Rancho, mas não quiseram e, então, foi feita uma de concreto.

Agora, na reconstrução desse monumento histórico surgiu a chance de realizar o desejo dele. Então falei com o Luizinho e combinamos de deixar o lugar bonito. Assim, me encarreguei de comprar a pedra, ir buscar em Treze de Maio e contratar o Antenor Zavarise para lapidar.

Agora estou feliz e sentindo que a missão está cumprida, com a família Savi Mondo ajudando a preservar a história de todos e deixando também a sua marca para o futuro” afirmou.

Já Luizinho, que é filho adotivo, herdou e atualmente administra a propriedade que era de Monsenhor Agenor Neves Marques, disse que participará da ação de embelezamento do local por tratar-se de um monumento histórico.

“Esse ponto histórico fica bem na entrada da minha propriedade. Segundo relatos do Padre Agenor, os imigrantes quando passaram por aqui com destino ao centro de Urussanga fizeram uma parada e ergueram uma cruz de madeira em agradecimento pela viagem e por estarem todos vivos em uma nova terra.

Essa cruz de madeira ficou alí por muitos anos até que o tempo se encarregou de destruí-la. Então, meu pai, o Padre Agenor, quando adquiriu esta propriedade, construiu no mesmo local uma cruz de concreto com um altar. Mas o tempo também se encarregou de destruir e, agora, estamos num esforço conjunto, com a colaboração da família Savimondo , reavivando este marco tão importante da história da cidade” explicou Luizinho ao agradecer também o presidente da Coopercocal Altair Lorival de Melo- Belha pela grande colaboração prestada neste trabalho de recuperação da memória coletiva.

O Jornal Panorama SC, nesta matéria de capa, parabeniza os dois Luiz (Marques e Savi Mondo) desejando que mais pessoas sejam contagiadas por este espírito de respeito ao passado.