Operação “Hera”: Polícia Civil conclui 3º inquérito e faz indiciamentos


A Polícia Civil de Santa Catarina concluiu o 3º inquérito da operação “Hera”, em Urussanga, no Sul do Estado. Nesse procedimento, foram indiciados por peculato culposo e fraude processual um vereador e um diretor, ambos afastados por decisão judicial.

O inquérito foi iniciado em razão de notícia veiculada na imprensa em 27 de agosto, dando conta que teria sido subtraído um motor de uma retroescavadeira, marca Hyundai, pertencente ao município de Urussanga, que estava em um depósito pertencente ao município, junto ao parque municipal, Ado Cassetari Vieira.

Segundo se apurou, em 2019, face a um problema no motor, resolveu-se tornar inservível a máquina por decisão do então gestor da agricultura. A retroescavadeira estava com o motor todo desmontado, tendo sido as peças colocadas na cabine e levadas para o parque municipal, local de fácil acesso e sem vigilância dos equipamentos.

Já no início das investigações, percebeu-se que havia problema de gestão no que tange aos bens municipais, sequer sendo possível precisar se as peças foram furtadas ou objeto de peculato, em especial dado o lapso temporal desde que a máquina deixou de ser utilizada e a informação do desaparecimento das peças vir à tona – a própria prefeitura, em alguns casos, utilizou parte da máquina, como pneus, sem qualquer inventário prévio ou documentação das informações.

No decorrer da apuração, os dois ex gestores da pasta da agricultura, para se eximirem da responsabilidade, combinaram depoimento para imputar a terceiros a negligência com relação à máquina, ao que tudo indica, a fim de induzir a erro o juiz, perpetrando, além do peculato culposo, pela negligência com relação ao patrimônio público, fraude processual, conhecida como obstrução da justiça. No inquérito também foi pleiteado o afastamento das funções dos indiciados até a conclusão das demais investigações.