Mobilidade Urbana - população pode e deve mostrar suas carências

Após minuta elaborada em oficina, Plano deverá ser apresentado em Audiência Publica



O Plano de Mobilidade Urbana, que é uma exigência de Lei federal, está sendo realizado nos municípios da região via Consórcio de Intermunicipal de Multifinalitário da AMREC (CIM-AMREC). Foi aberto um processo de licitação, onde a empresa Alto Uruguai, de Concórdia, venceu a disputa para realizar os planos também nos municípios circunvizinhos a Urussanga.

Sendo assim, estão sendo realizados levantamentos das cidades e, posteriormente elaborado o diagnóstico de cada município o qual apresenta os problemas atuais de mobilidade.

Dentro do cronograma ocorrerá às oficinas para participação da população, registrando as demandas de suas comunidades.

Em Urussanga a oficina será no dia 28 de maio, na Sala de Reuniões da Secretaria Municipal de Educação, Rua João Maria Cancellier, 85, Bairro da Estação, a partir das 14h.

Essa oficina dará base para o documento com as propostas e diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana de Urussanga, com apresentação da importância da Mobilidade Urbana e algumas situações já levantadas em diagnóstico realizado.

Segundo o engenheiro e especialista em Gestão de Municípios da empresa Alto Uruguai, Maycon Pedott, a partir das oficinas sai a minuta de Lei, que ainda passa por audiência pública. A previsão é finalizar o plano até final de julho. O plano já era para ter sido concluído, mas a pandemia atrasou todo o processo, que iniciou em fevereiro de 2020.

“Nossa previsão é final de junho, mas podemos estender os trabalhos por mais um mês. Tivemos que paralisar as reuniões, devido ao agravamento da pandemia”, explicou Pedott.

A diretora de Planejamento Mariela Fabris Moraes, enfatiza que a participação das comunidades é importante para que sejam planejadas ações de mobilidade em toda área urbana e também na área rural.

Portanto, quem tiver dificuldades neste setor deve participar da oficina(reunião). Depois de pronto o Plano, não adianta reclamar.


Foto Sérgio Costa