Ministério Público investiga suposto fura-fila em Urussanga

Vereador Luan faz denúncia de fura-fila no legislativo e Secretária Ingrid afirma que áudio foi fragmentado e usado de má fé


Depois de a Operação Benedetta colocar Urussanga no noticiário estadual e nacional do mundo da corrupção, urussanguenses receberam na véspera do aniversário de fundação, a notícia de que doses de vacinas foram desviadas e que houve fura-filas, até com vacinação de pessoas que não residem no município.

A denúncia foi feita pelo vereador Luan Varnier(MDB), durante seu pronunciamento na sessão da terça-feira 25/5, quando mostrou um áudio com a voz da Secretária de Saúde - Ingrid Zanelato, no qual ela afirmava ter existido fura-filas em todas as comunidades do Município, com vacinação de marido de servidora e também de pessoas fora da faixa etária naquele momento da vacinação ou, ainda, que nem residiam em Urussanga.

Luan informou que o caso já está sendo analisado pelo Ministério Público, que já é a segunda denúncia sobre o mesmo assunto e que houve desvio de 239 vacinas da Covid 19 em Urussanga.


A palavra do Vereador


Mas, na qualidade de vereador, Luan acredita ser sua responsabilidade solicitar que sejam criadas CPI’s para apuração dos supostos desvios de recursos do

Finisa em obras Públicas e do Fura-Filas da vacina da Covid 19.


Em entrevista à reportagem de Panorama SC Luan disse que “ tem plena confiança e respeito pelo trabalho da Polícia Federal e da própria Justiça, mas que a Câmara, como um poder local, que representa o povo urussanguense, também tem a obrigação de esclarecer estes fatos que envergonharam a todos e tem o poder de fazer isso através da instalação de CPI’s. Não podemos nos omitir num momento desse! Não podemos não fazer nada, fingir que não sabemos que o Prefeito recebeu irregularmente cerca de R$ 80 mil quando terminou o mandato passado enquanto muitos ficaram sem salário para pagar a conta do mercado ou da farmácia; no momento em que a própria PF afirma que houve R$ 300 mil de desvio em uma obra de R$ 1 milhão e a própria Secretária diz que houve fura-filas e desvio de vacinas. Nós vereadores, fomos eleitos para fiscalizar e a Câmara tem, sim, o dever de dar satisfação a quem colocou os vereadores lá dentro: o povo. E não importa se é de oposição ou de situação! Nós temos Leis que nos dão o poder de agir, de averiguar se os fatos são verdadeiros e temos que dar esta resposta à sociedade que confiou em nós” pontuou Luan.


A palavra da Secretária



Buscando ouvir os dois lados, Panorama SC entrevistou a Secretária de Saúde Ingrid Zanelato.

Segundo ela, a Secretaria recebeu “ uma denúncia do Ministério Público a um tempo atrás, nas quais verificamos tudo e estava correto.

Então a gente fez essa reunião para explicar e mostrar a gravidade se tivesse esses erros da vacina.

Quando é falado no áudio que teve fura-fila, não foi de pessoas que foram vacinas sem ter o direito. Foram pessoas que foram chamadas que não estava na etapa certa, mas todos eram acima de 60 anos. Acontece que por vezes sobra vacina no frasco e, para não desperdiçar, foram chamadas pessoas de faixa etária baixa. Mas sempre de 60 anos acima. Em nenhum momento houve desvio de vacinas e quando é referido ali que faltam 239 doses é nos sistema, sem a digitação.

Isso porque semanalmente a gente encaminha uma Planilha para o Ministério Público com todos os nomes de vacinados, qual grupo ele pertence, qual a idade, qual a vacina, se foi dose 1 ou dose 2, e que tem que fechar com as doses recebidas e as doses aplicadas.

A reunião era da Secretaria, da Coordenação da Atenção Básica, da Vigilância Epidemiológica- que é quem recebe as vacinas e faz toda a logística, junto com as enfermeiras responsáveis de cada unidade.

Esta gravação foi muito de má fé, os áudios diluídos, todo descontextualizado, fragmentado e fazendo uma sequência que não é verdadeira sobre o que estava sendo debatido ali naquele momento, naquela reunião, pondo em dúvida o que estava acontecendo.

Foi com este intuito: por em dúvida o que estava acontecendo.

Porque se fosse da reunião inteira ou de quem está lá, o relato de quem estava lá, vai falar exatamente isto.

A Gestão não vacina. A Gestão é responsável por todo o suporte logístico e também ser um fiscalizador.

Se houve algum erro de vacinação, se foi cometido, foi cometido por vacinadores e pela equipe que está lá na ponta.

Quem vacina é o vacinador, ou técnico de enfermagem ou enfermeiro, a equipe que está lá na ponta.

E a reunião foi justamente para isso, orientar, organizar e mostrar que a fiscalização existe e que se tivesse, ou se tiver, algum fura-fila nós vamos responsabilizar o profissional que realizou o delito” concluiu Ingrid.