MAURO PAES CORREA

Vruuuuuuuuuum!

Foi quase isso o que senti, quando usei o computador de um amigo equipado com estes processadores de última geração, voltados ao público de baixo poder aquisitivo. Uma das marcas, consegue alcançar estonteantes 4.0 GHZ de velocidade, sem pesar no bolso.

Claro, como um desses carrinhos três cilindros que dependendo o modelo, dão uma certa sensação de potência, o mesmo vem acontecendo com estes processadores. A arrancada é rápida e a velocidade, de cruzeiro, sempre constante. A comparação é perfeita, pois estes processadores de baixo custo cumprem com folga as tarefas do cotidiano. Para quem não sabe, sempre relembro que o processador é o “cérebro” do computador, que executa as tarefas que lhe são repassadas.

Pois bem, há algumas justificativas para que os fabricantes busquem atrair novamente o público que utiliza computadores ou notebooks. Até comentei algumas semanas atrás sobre o assunto, mas agora retorno com mais algumas informações importantes.

Quem trabalha em escritórios, percebe há anos que os computadores gradualmente vão perdendo mercado para os smartphones. Não poderia ser diferente, pois se você usa um Android (acredite!) ou um Iphone, agradeça ao Steve Jobs. Foi ele quem deu todo o impulso inicial para que realmente os smartphones de tela estejam atualmente no topo de mercado, nos dias atuais.

O fato de perder mercado, obviamente traz prejuízos aos fabricantes. Logo, os diretores de empresas de computadores e em especial daquelas que produzem processadores, pensaram: como vamos manter o público fiel de empresas e usuários de computadores? A resposta, como é perceptível para usuários que estão acompanhando o cenário, é o surgimento de novas tecnologias e o aumento da vida útil dos equipamentos. Ainda que tenhamos esta modernização nos computadores, agora ela ocorre muito mais rápida no segmento dos smartphones.


Olha o click, click!

Tenho recebido muitas reclamações de usuários de smartphones de que várias janelas de seus navegadores no smartphone ou avisos aparecem de forma inesperada, muitas vezes até mesmo em situações nada agradáveis. A melhor forma de resolver este problema, obviamente é a de evitar de visitar certos sites duvidosos.

A segunda forma de também evitar o problema é limpar de forma constante o cache do seu navegador. O cache é um pré-armazenamento de imagens e certos conteúdos de sites, que agilizam a sua navegação, fazendo-a com que ocorra de forma mais rápida. Esta limpeza pode ser feita através da opção configuração dos navegadores. A dica vale inclusive para computadores e notebooks.


A famosa Wikipedia

Podemos considerar a Wikipedia uma fonte confiável para referências e consultas? Quase sempre que sim, pois há um time de voluntários que dedicam-se à “arte de verificar fatos”. Outro dia, atualizei algumas informações sobre Urussanga e um destes voluntários checou as informações e após alguns ajustes e pronto, a publicação está atualizada. Para os mais experientes, a Wikipedia lembra muito as boas enciclopédias , como Barsa, Delta, Larousse. Uma verdadeira tarde de estudos na biblioteca, que agora são feitos em casa.