MAURO CORREA PAES

Vai dar treta...


Mais uma vez, o mundo da tecnologia está em “guerra”. Os meios de pagamento da Google e Apple, embutidos em seus sistemas operacionais e que intermediam pagamentos, querem uma fatia inclusive do que é comercializado dentro de aplicativos próprios, ainda que não passe pelo sistema de pagamento destas duas gigantes.

Explico melhor: As duas empresas, agora querem uma comissão de cada venda pela Amazon, em seus aplicativos de venda de livros online e a assinatura do serviço de leitura ilimitada de livros. O problema é que a Amazon possui obviamente, seu próprio meio de pagamento e a Google e Apple, querem uma parcela destes valores e que o sistema de pagamento a ser utilizado seja o deles.

Onde vamos ter a treta? Primeiro, a Amazon baniu a compra de qualquer item relacionado através de seu aplicativo de leitura de livros. A Amazon vai perder alguns milhões de dólares, os pequenos vendedores e as editoras, muito mais. Pois a venda de e-books é um mercado alternativo em franca ascensão, por mais que a maioria das pessoas prefiram livros físicos.

Jeff Bezos é o segundo homem mais rico do mundo e tem a mesma sagacidade que Steve Jobs. Talvez tenham com este movimento, despertado a “ira criativa” do homem, e podemos à médio prazo, caso o impasse não se resolva, o desenvolvimento de smartphones “by Amazon” e até mesmo com sistema operacional próprio.

O fracasso da Microsoft no passado serve de aprendizado, pois o grande erro de Bill Gates foi não atrair os desenvolvedores de aplicativos. O Windows Phone era realmente ótimo, mas sabemos como terminou a história, apontada como um dos maiores erros de Gates.

O desenvolvimento de um smartphone, seja em parceria ou produção própria, pode levar de dois a três anos por parte da Amazon, caso ela queria. Desenvolver um novo sistema operacional, também pode ser um desafio, pois por mais que o Android seja um software livre, a liberdade de uso talvez não impeça a eliminação da Google na intermediação de pagamentos, pois os softwares serão ainda disponibilizados na Google Play.

Outro problema é como agir com a Apple. O que para nós brasileiros pode ser considerado um produto de luxo, para os americanos e europeus, os produtos da maçã são um artigo comum, conquistado em poucos dias ou semanas de trabalho, diferente do Brasil, em que leva-se meses, considerando-se o salário mínimo brasileiro.

Falo da Apple, por ser imbatível em outros países. No Brasil e outros países com menor renda, os smartphones com Android ganham mercado em disparada, pois são mais baratos e com a mesma eficiência de qualquer concorrente.

Apenas para você ter uma ideia. Mensalmente, o montante fracionado entre todos os escritores ou vendedores de livro (que recebem por páginas lidas), varia entre 150 e 200 milhões de dólares mensais. Menos leitores, menor o fundo e o despertar de um desinteresse das editoras em manter e-books.