Macari o carioca que amou Urussanga


Nascido no Rio de Janeiro em agosto de 1951 e falecido no último domingo 8/11 em Florianópolis, Rivaldo Antonio Macari faz parte da história de Urussanga.

Filho do libanês João Gabriel Macari, que veio do Líbano para o Rio de Janeiro/RJ (antigo Distrito Federal), casou-se com Maria de Jesus Cavalcanti de Albuquerque Macari (sua segunda esposa, conhecida como Gesa), Rivaldo veio para Urussanga com seus pais quando tinha dois anos de idade para morar no que atualmente é o Parque Municipal.

Seu pai era, naquela época, o Gerente e Procurador da Mineração Geral do Brasil (Minerasil) - companhia encarregada da extração de minérios, em especial, o carvão.

Rivaldo fez o primário no Grupo Escolar Barão do Rio Branco e o ginásio no Colégio Rainha do Mundo. o ensino médio concluiu no Colégio Marista em Criciúma/SC e no Colégio Iguaçu, em Curitiba/PR. Em 1974, concluiu a Faculdade de Direito na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Casou-se, em junho de 1974, com Cleusa Margarete Rodrigues Macari, com quem tem três filhos, Karim Macari Sobrinho, André Macari e Hernani Macari.

Exerceu atividades públicas nos cargos de: Promotor Público na Capital (Florianópolis/SC) e em outros municípios do Estado, até 1990. Foi Leiloeiro rural e pecuarista, pertencente à Federação de Agricultura de Santa Catarina, entre 1982 e 1985, e neste último ano, assumiu a função de Secretário do Sindicato Nacional dos Leiloeiros Rurais (com sede em São Paulo), até 1986.

Iniciou a vida política, filiando-se no Movimento Democrático Brasileiro (MDB), em 1969.

Em 1980, no fim do bipartidarismo, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), sucessor do MDB, e ingressou no diretório municipal do partido em Urussanga, em 1981.

Lançou à primeira candidatura a Deputado Estadual, em 1986, para a Assembleia Legislativa de Santa Catarina pelo PMDB, sendo eleito, com 17.345 votos, para a 11ª Legislatura (1987-1991). Nesse período, participou da Constituinte (Constituição assinada em 5 de outubro de 1989) e integrou as Comissões Permanentes de Finanças e Tributação;Constituição e Justiça e ainda Redação de Leis.

Ingressou no diretório estadual do partido (PMDB), permanecendo de 1988 a 1995.

Em 1988, a convite de Pedro Ivo Campos (Governador do Estado de Santa Catarina, na época), abandonou o cargo de Deputado Estadual para assumir a Secretaria de Segurança Pública.

Devido a complicações de saúde de Pedro Ivo Campos e com a posse do Vice-Governador Casildo Maldaner, Rivaldo Macari deixou a Secretaria para concorrer, novamente, ao Legislativo catarinense, reelegendo-se Deputado Estadual, com 16.998 votos, pelo PMDB, na 12ª Legislatura (1991-1995).

Em 1994, candidatou-se a Deputado Federal, pelo PMDB, para compor a 50ª Legislatura (1995-1997), conquistou a suplência e foi convocado em outubro de 1995, no lugar de Dejandir Dalpasquale.

De julho a novembro de 1996, afastou-se das atividades legislativas, substituído por Ulysses Gaboardi e pelo titular da cadeira, Neuto de Conto. Durante esse mandato, solicitou um Requerimento de Informação ao Ministério do Meio Ambiente dos Recursos Hídricos e da Amazônia, para saber a disposição em considerar as matas de araucárias (floresta ombrófila mista) como mata atlântica e sobre as devidas providências a serem tomadas com os proprietários rurais e madeireiros.

Nessa legislatura, participou da Comissão Permanente de Minas e Energias (titular - 1995-1996) e das Comissões Especiais do(a): Monopólio do Petróleo; Código Aduaneiro do MERCOSUL (Titular - 1995); Reforma Constitucional ao Mandato Parlamentar dos Vices;

Inelegibilidade de Parentes de Ocupantes de Cargos Executivos (Suplente - 1996); Projeto de Lei nº 464/95 sobre critérios de proteção e integração de deficientes físicos (Titular - 1996).

Depois da participação na Câmara dos Deputados, Macari ficou afastado dos cargos eletivos por, aproximadamente, oito anos, após esse período, candidatou-se a Prefeito de Bom Jardim da Serra/SC, eleito em 2004 e reeleito em 2008, sempre pelo PMDB. Entre as homenagem recebidas por Rivaldo em vida, pode-se citar a feita pelo PMDB na Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, no dia 5 de dezembro em 2016, como um dos principais nomes/personagens do partido e que fizeram a história dele no Estado.

No aniversário de 49 anos do PMDB, em 27 de abril de 2015, o Deputado Luiz Fernando Vampiro prestou uma homenagem a Rivaldo Macari em nome do Poder Legislativo, por sua contribuição para a história catarinense do partido.

Homenageado como Deputado Constituinte de 1989, em sessão especial da Assembleia Legislativa, em 2019, nas comemorações de 30 anos da Carta Constitucional catarinense.

Em Urussanga também foi homenageado pela Câmara de Vereadores com título honorífico e, nesta página, recebe a homenagem do Panorama SC e, certamente, de todos aqueles que sabem do seu trabalho por muitas conquistas alcançadas para a população urussanguense.