Hospitais do Sul pedem socorro

Braço do Norte sem respiradores, Tubarão com falta de leitos, Orleans fechando a emergência e Urussanga sem enfermeiros para novas equipes de plantão

HNS Conceição - Urussanga Foto arquivo


A luz vermelha para que pacientes fiquem sem atendimentos em hospitais do Sul de Santa Catarina está piscando cada vez mais rápido e forte, fazendo com que a expectativa de um colapso geral esteja próximo.

Nesta quinta-feira 18/03, o Hospital Santa Teresinha de Braço do Norte emitiu comunicados à população, avisando que está acima de sua capacidade de atendimento com 125% de ocupação dos leitos de semi-intensivo (onde é dado suporte ventilatório).

Além disso, o comunicado informa que não há mais respiradores disponíveis, bombas de infusão, monitores e RH para atendimento e também estão faltando medicamentos.

Não bastasse tudo isso, há pacientes internados em estado crítico e com risco iminente de piora. A situação não é diferente no Hospital Nossa Senhora da Conceição de Tubarão, onde há

dias os moradores da cidade e da região vem sendo informados da falta de leitos nas enfermarias e também na UTI.

O temor é que, caso a proliferação do vírus continue aumentando os casos de Covid, em breve haja falta de profissionais para atendimento em hospitais, bem como falta de medicamentos essenciais e equipamentos (ventiladores mecânicos, bombas de infusão e monitores).

Na vizinha Orleans o alarme também já foi dado pelo Hospital Santa Otília que, através de comunicado emitido na manhã desta quinta-feira 18/03, ao Corpo de Bombeiros e SAMU, expôs as dificuldades que estão enfrentando para atender adequadamente toda a população que necessita de cuidados hospitalares.

A informação é de que o Hospital orleanense precisou fechar as portas da emergência por alguma horas para poder atender a atual demanda e solicitou ao Corpo de Bombeiros e SAMU que direcionassem os pacientes para outras unidades hospitalares com melhor capacidade de atendimento, pois o Hospital Santa Otília contava, naquele momento, com apenas 8 respiradores para atender todo o hospital.

Em Urussanga, a informação é de que há 20 leitos ocupados para pacientes em tratamento de Covid com mais 3 em trânsito para serem internados. O problema mais grave no momento é a dificuldade em encontrar profissionais de enfermagem para fechar as equipes de plantão.

Uma situação gravíssima e que tende a piorar se a população não tomar os devidos cuidados, seguindo normas simples como distanciamento social evitando aglomerações , uso de máscaras e higienização das mãos que já vem sendo divulgadas há muito tempo pelos órgãos públicos.