Fumicultura é carro chefe na agricultura urussanguense


Para se ter noção da importância da fumicultura como atividade agrícola no município de Urussanga, basta saber que cerca de 230 famílias urussanguenses dependem anualmente dos resultados da colheita do fumo nos 471 hectares plantados.

A informação, repassada pelo presidente do Sindicato dos Agricultores e Agricultoras de Urussanga e Cocal do Sul -Adefonso Baesso, revela que há 286 estufas no município e uma produção de mais de mil toneladas de fumo. Isso, numa conta aproximada e da produção total, resulta em cerca de R$ 10 milhões para Urussanga anualmente.

“Nós temos 286 estufas em funcionamento, a maioria delas com sistema elétrico. O fumo ainda é o carro-chefe na nossa agricultura porque é uma cultura que dá segurança para o agricultor. Traz garantia de venda e lucro, embora nos últimos anos não esteja sendo repassado todos os custos de produção e essa margem de lucro venha diminuindo.

Temos outras culturas e, que bom que temos diversificação, mas o fumo é que ainda está mantendo o nosso agricultor no campo” explicou Adefonso acrescentando que essa segurança na venda do produto possibilita que o agricultor possa investir em benfeitorias em sua propriedade e em atividades paralelas que os manterão em suas propriedades rurais.

“A fumicultura não é vista com bons olhos, mas para o agricultor é uma renda indispensável.

É com o dinheiro do fumo que as despesas da propriedade serão pagas e até os insumos que sobram no solo após a colheita são utilizados para o plantio do milho na chama safrinha.

Milho este que servirá para criar gado, porcos e galinhas, de onde virá o leite, a carne, os ovos e a farinha, transformando-se numa renda extra para o nosso agricultor” concluiu o presidente do Sindicato.