Forquilhinha, Criciúma e Maracajá buscam viabilizar o desassoreamento do Rio Sangão


Os municípios de Forquilhinha, Criciúma e Maracajá estão unidos para amenizar os problemas das famílias atingidas pelas cheias do Rio Sangão. Prefeitos, vereadores, coordenadores da Defesa Civil e demais autoridades estiveram nesta terça-feira, dia 10, na Câmara de Forquilhinha com representantes das comunidades Sangão e Cidade Alta para tratar sobre a limpeza e o desassoreamento do Rio.

Os prefeitos José Cláudio Gonçalves (Neguinho), Clésio Salvaro e Anibal Brambila informaram que vão atuar em conjunto para providenciar a limpeza e desobstrução nos mais de sete quilômetros de extensão do Rio Sangão. Um documento será elaborado pela Defesa Civil dos três municípios para buscar as licenças ambientais e a viabilização nos órgãos responsáveis.

O problema do assoreamento no Rio Sangão foi relatado pelo presidente da Associação dos Moradores da Cidade Alta, Jailson da Silva Rosa, e pelo diretor da Associação dos Moradores do Sangão, Gustavo Aléssio Duminelli, na Câmara de Forquilhinha. Aproximadamente 50 famílias precisaram deixar suas casas devido às chuvas que caíram no início de maio no município.

“Essa reunião representa o primeiro passo para um futuro desassoreamento, que deve resolver os problemas das comunidades atingidas”, conta Gustavo Aléssio Duminelli. “Dependemos da união dos três municípios para conseguir solucionar esse problema histórico na nossa comunidade”, acrescenta Jailson da Silva Rosa.

O vereador Dinho Rampinelli é morador da Cidade Alta e gostou dos encaminhamentos da reunião. “Fico satisfeito em ver a vontade real dos três municípios de resolver o problema”, disse. “Uma pauta levantada pelos moradores no Legislativo ganhou eco nos demais municípios. A união faz a diferença, vamos seguir acompanhando até uma solução definitiva”, completa o presidente da Câmara de Forquilhinha, Célio Elias.