Fornasa deixa o PP e pede perdão para os urussanguenses

Afirmando que atual prefeito teve sua ajuda para entrar no PP e ser candidato eleito em 2016, Fornasa diz que não fica no meio de “quadrilha”

Uma entrevista concedida ao jornalista Rafael Niero, no programa Comando Marconi, na manhã da última quarta-feira 22/9, mostrou toda a indignação do industrial Geraldo Fornasa com a atual situação do PP urussanguense e com o desfecho da votação ocorrida na noite anterior no legislativo municipal.

Falando da situação interna do PP, Fornasa afirmou que o prefeito Gustavo Cancellier tomou conta do partido e isolou todos os que pensam diferente dele.

Esta situação ficou bem clara, segundo Fornasa, no episódio da votação para instauração de uma Comissão Processante visando elucidar as denúncias feitas pela própria Polícia Federal.

Ex- ppista disse que tudo começou com integrantes do PP que eram contrários aos posicionamentos de Cancellier terem sido “desconvidados” para uma reunião da Executiva, na qual foram decididos posicionamentos que não refletem o pensamento de todos os integrantes do partido.

Num desabafo e revelando sentimentos que pareciam estar contidos há tempo, Fornasa evidenciou seu espírito roqueiro e contestador ao expor as mazelas de um partido que ajudou a edificar na cidade.

“O partido são pessoas. Este partido que está hoje aí, não é mais o PP, não tem mais ninguém lá de antes. Tem aí, não vou dizer nomes, mas são pessoas que tem interesses na administração. Estamos fora, estamos fora!” afirmou Geraldo ao anunciar que estava deixando o PP.

Além do descontentamento com as notícias de desvios de recursos em obras da municipalidade, sobre as quais o ex-ppista acredita haver veracidade e quer estar distante do que intitulou de “quadrilha”, há ainda o sentimento de ter sido traído na votação para abertura de uma investigação no legislativo.

“Se fecharam isso aí é porque tem rolo, e é rolo dos grandes” evidenciou Geraldo explicando que contava com o voto do vereador Odivaldo Bonetti (Bonettinho) para que a Comissão Processante fosse instaurada mas que, alegando temor de perder o mandato, Bonettinho não cumpriu a promessa que havia feito a ele.

“ Eu ia quietinho entregar minha correspondência lá na Justiça Eleitoral me desfiliando desta porcaria de um grupo que virou ai um grupo que protege criminoso” pontuou Geraldo ao mostrar sentimento de culpa por ter levado o prefeito Gustavo ao mundo PPista, tê-lo ajudado a ser candidato e apoiado sua primeira eleição.

“Ele parecia um santo. Ele e o irmão dele pareciam santos. E no fim está aí. Eu me sinto culpado e peço perdão de joelhos para toda a cidade” disse Geraldo que colocou para fora e pelas ondas do rádio, por mais de 20 minutos, todo o seu descontentamento.

Palavras como ladrão, corrupção, quadrilha, traição e vergonha foram bastante utilizadas no pronunciamento de Geraldo na Marconi, mexendo nos alicerces de um partido que tem uma história de quase quatro décadas de forte atuação na política-partidária de Urussanga e que desde a semana passada vem perdendo filiados importantes.

O último a anunciar seu desligamento antes de Fornasa foi o ex-presidente da Executiva Jaderson Roque. Também para Jaderson o PP .local não o representa e “não é condizente com a agremiação partidária” que ele ajudou a construir nos últimos 20 anos.

O futuro é uma incógnita, mas não é difícil prever que este desgaste todo no presente momento, trará consequências negativas ao Partido Progressista de Urussanga no futuro.