Covid-19: aumentam os números de casos e vítimas em Urussanga


Em Urussanga o número de atendimentos de pessoas com síndrome gripal (SG) já passa de seis mil. Agosto foi o mês com o maior registro de consultas, dados esses próximos dos que vem se apresentando neste mês.“Vivemos a segunda onda, sim! Basta observar os números de novos casos, casos ativos e atendimentos de síndromes gripais que no caso de Urussanga já se equipara ao mês de agosto, o pior dos meses para nós desde que a pandemia iniciou, com 1.478 atendimentos”, com esta explicação o médico da família e membro do Comitê de Combate à COVID-19 de Urussanga, Alexandre Régio Gomes (Dr. Kaleb) alerta para que os cuidados para evitar o contágio pela COVID-19 permaneçam.

Kaleb ainda relata que essa não é uma situação específica de Urussanga. “Os números vem crescendo na região, no estado, no país e no exterior. Vários estados e países já anunciaram essa crescente. O imprescindível é que mantenhamos os cuidados básicos: uso de máscara, higienização das mãos e não aglomerar”, enfatiza lembrando que o município conta com um centro de triagem específico para a COVID e que no caso das unidades básicas de saúde “a população precisa usar esse serviço público de forma racional, para não se expor e também não sobrecarregar”.

Ratificando o que foi apresentado por Dr Kaleb a secretária de Saúde de Urussanga, Enfermeira Ingrid Zanelatto, que é fundamental manter as medidas de proteção: “lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou álcool em gel e cobrir a boca com o antebraço quando tossir ou espirrar; ou usar lenço descartável ao tossir/espirrar e, depois, lavar as mãos. O distanciamento de um metro entre as pessoas também deve ser mantido e, ainda, o uso de uma máscara como uma medida de proteção”.

Os números divulgados no boletim informativo sobre a COVID-19 em Urussanga na quarta-feira 25/11 , o último divulgado antes do fechamento desta edição, apontavam 1196 casos confirmados (1056 curados, 120 em tratamento domiciliar, 11 internações em clínica e 18 óbitos.

Haiva 229 casos suspeitos que aguardavam o resultado do exame PCR. Foram feitos 5.206 testes, destes: 1621 PCR, 2634 testes rápidos e 951 particulares.

Atendimentos com SG por mês desde o início da pandemia: março 361; abril 321; maio 425; junho 1020; julho 1184; agosto 1478, setembro 654, outubro 621, e novembro 1143 (até o dia 22).