Câmara de Urussanga é a única da Comarca sem representação feminina

Lete foi a mais votada em Urussanga

Dos três municípios da comarca, Urussanga é o único onde não haverá mulher na Câmara.

Mesmo o número de eleitoras chegando à casa dos 8.984, sendo 705 a mais que os homens (8.279), nenhuma das candidatas se elegeu.

Dos 65 postulantes a uma cadeira na Câmara em Urussanga, 23 representavam o sexo feminino tendo conseguido somar 3.224 dos votos válidos.

Os outros 42 postulantes eram do sexo masculino e totalizaram 9.185 dos votos válidos.


As mais votadas


Izolete Duarte Vieira - PP - 535

Rosane De Brida Benedet - PDT -405

Lisiane Bonetti Fenili - MDB - 345

Rosimeri Mafra da Silva - MDB - 338

Bruna G. Salvador - PSDB - 272



Mas o problema parece não estar relacionado só a quem vota em quem, nascendo, assim, uma polêmica sobre o atual modo de seleção feito pela Justiça Eleitoral.

Um exemplo claro disso aconteceu com a candidata Izolete Duarte Vieira (foto ao lado), a qual fez uma votação maior que os vereadores eleitos Rozemar Sebatião - PDT com 491 votos, Datcho -MDB com 476, Nel Daniel Moraes - PSD com 459, Beto Cabeludo - MDB com 430 votos e Fabiano De Bona - PSDB com 378 votos e não se elegeu. O mesmo aconteceu com a candidata do PDT Rosane De Brida Benedet, que foi mais votada do que o vereador eleito do PSDB.

Izolete, que já foi vereadora e exerceu cargo de Secretária de Assistencia Social, foi Diretora de Esportes e também atuou na Secretaria de Saúde é a primeira suplente do PP em Urussanga e, certamente, se não for chamada para o legislativo, deve ter seu espaço garantido na administração municipal.


Mulheres fumacenses e sulcocalenses representadas no legislativo



Em Cocal do Sul, onde o número de eleitoras é de 7.047, ou seja, 288 a mais que eleitores do sexo masculino, as mulheres conseguiram boa representatividade no legislativo municipal, ficando com duas das nove cadeiras.

O maior número de votos dados a um vereador em Cocal do Sul foi para uma mulher, a MDBista Nega Cittadin que se elegeu com 546. A segunda colocada foi a jornalista Maria Luíza Da Rolt, do PP, que era assessora de imprensa do ex-prefeito Magagnin em seus dois mandatos.Diferente de Urussanga, em Cocal do Sul a suplente não tem mais votos do que os eleitos e o terceiro lugar no ranking ficou com Edsania de Souza Tavares com 240 votos. Foram 26 mulheres disputando com 50 homens pelas nove vagas, sendo que as candidatas receberam 2.564 votos e os candidatos receberam 7.743 votos.

Morro da Fumaça deu exemplo quando o assunto é representatividade feminina no legislativo, com três mulheres conquistando lugares na Câmara.

De quebra, a mulher mais votada na comarca foi a PPista Simoni Almeida com 580 votos que, certamente, conseguiu se destacar na comunidade com seu trabalho frente ao Conselho Fiscal na Cermoful, onde levou seus conhecimentos como contadora por dois mandatos.

Para a segunda vaga no legislativo fumacense foi eleita Jorgia Guglielmi do PSDB com 496 votos e também eleita pelo MDB com 297 votos a candidata Silvana de Vasconcelos, que é filha do ex-prefeito Claudionor de Vasconcelos.

Foram 18 mulheres disputando com 2.930 votos conquistados e 37 homens candidatos que levaram 7.334 votos.