Câmara aprova instauração de Comissão Processante para vereador Taliano

Afirmando ser alvo de perseguição, Taliano diz que Justiça o colocou de volta no legislativo por considerar que ele estava dentro da legalidade

Mais uma Comissão Processante foi instaurada essa semana no legislativo urussanguense. Protocolada por Vanderlei Rosso, presidente do Diretório local do MDB, a denúncia foi totalmente baseada em informações de inquéritos policiais resultantes da Operação Hera, deflagrada ainda em 2021, e pede a cassação do vereador Rosemar Sebastião - Taliano por quebra de decoro parlamentar.


Do esquema

Na denúncia apresentada e extraída de Relatório de Investigação e Relatório Final de Inquérito Policial, pode-se ler que a então engenheira da FAMU e a ex-Chefe de Gabinete do prefeito Gustavo Cancellier (que era superintendente da FAMU) atuavam juntamente com o vereador Rosemar Sebastião e teriam participado “de esquema de corrupção (financeiro e político) usando o referido órgão ambiental, alinhados com empresários e outros particulares”, a fim de liberar loteamentos sem atender a legislação ambiental.


Crime ambiental

Também extraída dos relatórios feitos pela polícia civil, há a informação de que o vereador Rosemar Sebastião, quando exercia o cargo de Secretário de Agricultura do prefeito Gustavo Cancellier, enviou máquina da municipalidade para prestar serviços em propriedade particular. Mas se de um lado Rosemar contava com, digamos, a cooperação da engenheira da FAMU conforme informam os relatórios, de outro o ex- secretário Rosemar foi autuado pelo fiscal da própria FAMU, o qual considerou inadequada a alteração de cursos d’água sem licença ambiental, com construção de barragem e residência em área de preservação ambiental do município. A multa aplicada pelo fiscal para a proprietária da residência e para Rosemar foi de R$ 11.250,00. Mas a história não acabou aqui. Dizendo ter sido ameaçado de morte, o fiscal registrou BO e o resultado de tudo isso foi o sumiço do processo físico referente a aludida infração. Informação extra-oficial dá conta de que, posteriormente, o tal processo reapareceu, só que na sede da PMU.


O que diz o vereador

Mostrando bastante nervosismo diante da situação que vivia, vereador Rosemar Sebastião utilizou de sua fala na sessão da última terça-feira 8/03 para afirmar que se sente perseguido politicamente por ter votado a favor do prefeito afastado Gustavo Cancellier, que votará novamente contra a cassação de Cancellier na Comissão que está em andamento, que pensou em renunciar ao cargo e criticou duramente o ex-prefeito Vanderlei Rosso, autor da denúncia contra ele.

Rosemar afirmou ainda que, mesmo tendo sido afastado da Câmara recentemente, em virtude de decisão judicial após a Operação Hera deflagrada no final do ano passado, a Justiça o “colocou de volta entendendo que este vereador estava dentro da legalidade”.

Aliás Justiça foi algo bastante questionado pelo edil, em virtude de Rosemar não considerar certo o seu suplente Erotides Borges Filho (Tidinho) votar para a instauração da referida Comissão.


Os próximos passos

A Comissão Processante tem o vereador Luan Varnier na presidência, Fabiano De Bona na relatoria e Odivaldo Bonetti como membro.

A partir de agora, caberá a eles a condução do processo, com agendamento de reuniões, solicitação de elaboração da defesa do vereador Rosemar Sebastião e também convocação de testemunhas e busca de documentos para elucidar fatos.

Após tudo isso, e com o parecer pronto, haverá outra votação.

É bom registrar que, novamente, o suplente Erotides Borges Filho será convocado para substituir Rosemar na votação que decidirá pela continuidade ou não do mandato do vereador denunciado.