Birra del Nonno - cerveja urussanguense é classificada para concurso internacional


Uma brincadeira que iniciou com primos fabricando cerveja no paiol da casa da nonna Marli Peraro, transformou-se numa indústria que produz cerca de 10 mil litros de cerveja por mês e que já conquistou vários prêmios.

Embora Urussanga seja conhecida como a Capital do Bom Vinho, inclusive com as vinícolas locais conquistando prêmios em concursos, a cerveja vem se tornando ponto forte na cultura local.

Um exemplo disso é a Birra Del Nonno, que já recebeu premiação em nível nacional, inclusive neste mês de agosto sendo classificada com Medalha de Prata no Festival Brasileiro de Cervejas.

Para os sócios proprietários Ivan Damiani e Maristela Peraro Silvino, esta conquista vem validar todo o esforço empreendido até o momento e dar estímulo para continuar investindo na marca que homenageia o patriarca da família Peraro - o Nonno Bruno.

Em entrevista à reportagem de Panorama SC, Ivan disse que ficou muito feliz com a medalha de Prata, pois esta classificação levará a Nostra Pilsen, uma das cervejas fabricadas pela Birra Del Nonno, para a Copa Cervezas de América, o evento de cervejas mais importante da América Latina.

“Agora é ficar na torcida para que a cerveja urussanguense mereça destaque em evento tão importante” afirmou Ivan ao explicar que toda a produção da Birra Del Nonno é vendida nas regiões da AMREC e AMESC.

“Nós vendemos bastante em Urussanga, a população nos prestigia e nosso produtos tem boa aceitação.

Nosso foco maior é a distribuição em barris, para consumo de cerveja em eventos, bares e restaurantes” explicou o jovem empreendedor Ivan.


Saiba mais


O mercado de cerveja nunca teve tantos consumidores no Brasil, segundo dados do mais recente do relatório Consumer Insights da Kantar, líder global em dados, insights e consultoria. São 5,1 milhões a mais nos 12 meses terminados em março de 2022 em comparação ao ano móvel que acabou em março de 2021. No entanto, apesar do aumento, e mesmo com o avanço da vacinação e o fim de muitas restrições, a frequência do consumo fora do lar ainda não atingiu o nível pré-pandemia.