top of page
  • Foto do escritorJORNAL PANORAMA SC

Bandidos sitiam Criciúma com clima de terrorismo no Sul catarinense


Local onde supostamente bandidos utilizaram para a fuga após o assalto em Criciúma


Uma ação muito bem planejada e coordenada trouxe o clima de terror para o Sul catarinense na madrugada da terça-feira 1º de dezembro.

Em Tubarão, para desviar a atenção e dificultar a vinda de reforços, suspeita-se que o incêndio em veículo próximo ao Túnel tenha sido causado pela mesma quadrilha que sitiou a cidade de Criciúma para assaltar a agência do Banco do Brasil.

Imagens que circularam em redes sociais mostravam garis sendo reféns e sentados em plena avenida sob a mira de potentes fuzis, armamentos estes vistos em vários bairros causando tiroteios e até homens armados com granadas em coberturas de edifícios, assustaram moradores da cidade metrópole da AMREC.

No centro, lojas tiveram sua fachadas destruídas e a ousadia e organização da quadrilha se fez notar pelo potente armamento utilizado durante a operação.

Delegado Anselmo Cruz, titular da Delegacia de Roubos e Antissequestro da Diretoria Estadual de Investigações Criminais de Santa Catarina, disse que este sitiamento de Criciúma e o forte ataque até mesmo contra a polícia, foi uma ação inédita em Santa Catarina.

Segundo ele, o grupo usou fuzis calibres 556 e 762 e .50, capaz de derrubar helicópteros. Os tiros disparados atingiram prédios, estabelecimentos comerciais e o Batalhão da Polícia Militar da cidade.

Cerca de 30 quilos de explosivos foram deixados pelo grupo criminoso no local, mas não se sabe quanto eles usaram efetivamente.

Na manhã da terça-feira, polícia encontrou 10 carros escondidos na mata nas proximidades do município de Nova Veneza e havia prendido quatro pessoas que, segundo declarações, juntaram o dinheiro deixado pelos bandidos mas não haviam participado do assalto. Informações extra-oficiais dão conta de que bandidos levaram cerca de R$ 80 milhões.Na quarta-feira 2/12, policiais encontraram um galpão que fora alugado pelos ban didos e onde pintaram os carros utilizados no assalto.


A morte do soldado

A ação criminosa resultou em duas pessoas feridas, sendo um vigilante e um policial militar.

Ferido no abdomen, o PM Jeferson Luiz Esmeraldino foi internado e sofreu várias cirurgias. Mas, na tarde da terça-feira, durante sessão ordinária da Assembleia Legislativa de SC, a deputada Ada de Lucca anunciou que o policial havia falecido e, inclusive, foi feito um minuto de silêncio em sua homenagem.

A notícia anunciada pela deputada tomou espaço na mídia estadual e acabou sendo contestada pela própria PM do Estado.

Até o fechamento desta edição, o policial continuava internado na UTI em estado considerado grave.

Ação do Estado

Durante a terça-feira as forças de Segurança Pública de Santa Catarina iniciaram uma atuação em conjunto e se mobilizaram em uma grande operação de investigação e buscas dos criminosos que assaltaram a agência bancária em Criciúma.

Uma mobilização nacional entre policiais tenta desbaratar quadrilhas que atuam do mesmo modo em todo o Brasil.

Nesta quinta-feira 3/12, até o fechamento desta edição, a informação era de que guarnições do BOPE, haviam encontrado o local supostamente utilizado como transição para fuga do crime praticado em Criciúma .

Em Três Cachoeiras/RS, distante cerca de 100 quilômetros de Criciúma, policiais encontraram em uma residência, vários vestígios que indicavam a participação no roubo ao Banco do Brasil. Roupas com sangue, acionador para explosivos, um masculino detido, um veículo furgão.

A abordagem contou com a participação do BOPE da Brigada Militar do Rio Grande do Sul.

Comments


bottom of page