A onda de frio de novembro prejudica agricultores


Estação Meteorológica - EEUR Foto Sérgio Costa


“O frio persistente tem sido marcante desde o mês de maio neste ano 2022, e intensificado mais ainda neste início do mês de novembro. “

Esta afirmação feita pelo .engenheiro agrônomo da Estação Experimental da Epagri em Urussanga - Márcio Sônego, nos informa sobre este fato dizendo: “as novas plantações de milho, arroz, mandioca e maracujá colocadas no campo em agosto/setembro tem tido crescimento abaixo do normal por causa do frio e do tempo mais nublado. Quanto às chuvas, estas têm sido regulares e dentro das necessidades das plantações. E é mesmo o frio quem tem chamado a atenção da sociedade e da meteorologia.

Na última semana de outubro até esquentou um pouco, tanto é que a centenária Estação Meteorológica de Urussanga (Epagri/Inmet), registrou temperaturas máximas entre 30’C e 34’C nos dias 26, 27, 28, 29 e 30.

Entretanto, no dia 31 de outubro a temperatura máxima despencou para 22’C, uma queda de 12 graus Celsius em 24 horas por conta da chegada de uma intensa e gigantesca Massa de Ar Polar que passou a dominar todo o Cone Sul da América do Sul. Na manhã do dia 1º de novembro chegou a nevar no Morro da Igreja, município de Bom Jardim da Serra, e no dia de Finados (2 de novembro), a temperatura mínima foi de 8,7’C em Urussanga, quase 7 graus Celsius à menos do que a média histórica de 15,6’C.

Apesar deste frio intenso, a marca histórica de temperatura mais baixa de novembro ainda não foi batida em Urussanga, pois em novembro de 1970 a cidade registrou o frio de 5,2’C.

Estas anomalias climáticas tem sido causadas pela presença de águas mais frias do oceano Pacífico (fenômeno La Niña), e de águas mais frias do oceano Atlântico na costa sul do Brasil.

As previsões indicam que novembro segue com temperaturas em média abaixo do normal, e com chuvas dentro ou um pouco abaixo da normalidade. E dezembro ainda será mais frio e menos chuvoso”, concluiu Sônego.